A vida urbana moderna e seu impacto no consumo de alimentos

Comida pronta é mais saudável que receitas de chefs da TV, diz pesquisa
15 de August de 2014

A vida urbana moderna e seu impacto no consumo de alimentos

Em um cenário de crescente urbanização e poder de compra, com certeza, um dos segmentos com maior potencial é o da alimentação. Comprar, preparar e cozinhar o alimento toma tempo e as mulheres estão cada vez mais inseridas no mercado de trabalho. Além disso, cresce a população que vive sozinha (6% ao ano) e para as quais 5 kg de um produto é simplesmente demais. A preocupação com os hábitos alimentares também é crescente, aumentando também a demanda por produtos diet /light.

Cada vez mais, buscam-se refeições para microondas, ou seja, congelados ou semi-prontos, mas com sabor e variedade. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Alimentícia (ABIA), o mercado de refeições prontas e resfriados aumentou em média 13,2% por ano entre 2005 e 2009.

Ofertar o mais prático não basta, a praticidade deve ser aliada a uma vida mais saudável. As empresas estão buscando se inserir em um mercado de US$ 5,2 bilhões por ano e representa cerca de 5% do mercado brasileiro de alimentos, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Dietéticos e Para Fins Especiais (ABIAD).

 

Alimentos de fácil preparo

 

Entre os alimentos que permitem a economia de tempo e de esforço, figuram:

 

• Alimentos de preparo rápido;

• Misturas preparadas (farináceos, purê, mistura para pão);

• Molhos e temperos prontos;

• Sucos concentrados;

• Carnes diversas por porção (carne, frango, peixe);

• Sobremesas semi-prontas;

• Massas recheadas;

• Vegetais pré-cozidos;

• Congelados;

• Saladas fresh cut;

• Produtos embalados para consumo individual;

• Pratos prontos e semi-prontos;

• Produtos minimamente processados;

• Produtos para forno e microondas;

• Produtos adequados para comer em trânsito;

• Produtos adequados para consumo em diferentes lugares e situações;

• Serviços e produtos delivery.

 

Neste caso, a embalagem se torna fundamental para atender essas expectativas. Deve projetar a qualidade do produto e também promover a praticidade como:

 

• Bandejas para produtos que saem do freezer e vão direto para o microondas;

• Embalagens que contém meios de abrir e fechar, tornando a vida do produto mais duradoura;

• Embalagens de fácil manuseio, praticidade e uma amplitude de clareza de informações descritas;

• Embalagens fracionadas (tendência indica a diminuição para conter apenas a quantidade para um único consumo).

 

Por: Luciana Pecegueiro Furtado

 

Disponível em: Sebrae Mercados
Acesso: 13/08/2014

Comments are closed.